quinta-feira, 17 de setembro de 2015

Sobre maniqueísmo



O maniqueísmo vem de uma doutrina religiosa, que afirma haver dualismo entre os opostos, geralmente entre o bem e o mal. A filosofia maniqueísta começou na Pérsia, com Maniqueu, no século III. A religião é uma mistura de várias doutrinas, como o hinduísmo, budismo, judaísmo, cristianismo, para daí nascer o maniqueísmo como conceito.
Estamos familiarizados com os dualismos, por que aprendemos que o mundo é dividido entre o bem e o mal, o corpo e a alma, em um eterno combate entre as coisas da alma e as da matéria.

As concepções maniqueístas são simplistas, por que limitadas. Dividir tudo como certo e errado, preto e branco gera rivalidades. Podemos sentir a competição dualista nas torcidas de futebol, nas contendas políticas e no nosso dia a dia, quando não suportamos que alguém pense diferente da gente.

Um time de futebol é incompatível com o outro, mas, olhando-se com cuidado, não há diferenças significativas entre um e outro, nem entre uma torcida e outra. A rivalidade é algo irracional. Em eleições o dualismo fica bem claro, quando os eleitores de um candidato são do bem e pensam que os do outro são do mal. Isto é uma demonstração de pensamento maniqueísta, o que estamos vivendo com força hoje no nosso país. Temos a sensação de que fazemos parte de dois lados bem delimitados

Os filmes, novelas, desenhos animados, fábulas são produções onde o dualismo está presente o tempo todo. Quem é do bem é sempre do bem e quem é do mal é sempre do mal. 

No final o mocinho e a mocinha sempre vencem. Deve ser por isso que as nossas crianças, desde bem pequenas, falem de forma claramente maniqueísta. Para elas o bem e o mal estão presentes em suas relações com a família e com os colegas.

Quando atingimos um mínimo de experiência percebemos que as coisas não são tão fáceis de identificar. Descobrimos que as pessoas são boas e más, que temos um lado bom e um lado mau. Mesmo em nossos dias há fundamentalismos perniciosos, que admitem a existência de espíritos do mal, que espreitam quem pertence à categoria do bem, para não deixá-los errar. 

Há patrulhamentos ideológicos ferrenhos entre os opostos socialistas e capitalistas e, consequentemente, os do bem e os do mal. Cada grupo demoniza o outro, não havendo possibilidade de unir as duas correntes de pensamento.

Se examinarmos as guerras podemos ver, que cada lado da contenda pensa lutar por uma boa causa. Isso acontece nas “guerras santas”, aconteceu na segunda guerra, quando até os nazistas acreditavam-se do lado certo. Em todas as guerras o maniqueísmo está presente.

Historicamente somos divididos em facções, por que ainda temos mentalidade dualista, por isso somos facilmente manipuláveis. Muitos veem o mundo reduzido a dois lados, tornando-nos insensíveis para ver o todo. Somos infinitamente mais ricos quando tentamos compreender outras religiões, outros modos de vida, outras formas de pensar o mundo.

È fácil colocar estigmas nos outros, considerando-os errados. O sofrimento humano vem da intolerância. Apegamo-nos ao nosso pensamento, ao nosso time, ao nosso partido e rejeitamos outras possibilidades, que tornariam nosso mundo mais amplo e nossas possibilidades de escolha ampliadas. Ligue-se!



Comente este artigo.

Um comentário: