quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Como seria o pior restaurante do mundo?



Visto que estamos em um período do ano repleto de festividades, com muita comilança e tudo mais. Onde as festas são regadas por mesas fartas e saborosas, botei o cérebro para funcionar em engenharia reversa (ou qualquer coisa assim) e fiquei pensando: Como poderia ser o pior restaurante do mundo? Provavelmente seria um lugar onde os mais horríveis e horripilantes pesadelos da culinária seriam servidos ao freguês sem dó nem piedade. Lá você encontraria vários tipos de pratos frios, aliás, todos os pratos lá seriam frios, até as sopas, mas em compensação o suco estaria sempre quente. Falando em suco, quem descobrisse o gosto do suco ganharia um copo limpo (porém, quebrado) para bebê-lo.

As tentativas do restaurante em criar porcos e galinhas para serem servidos nas refeições acabariam sendo infrutíferas, porque ao tentaram engordar os animais alimentando-os somente com a comida servida no restaurante, os porcos passariam a fazer greve de fome e as aves virariam canibais.

A comida seria servida a moda da casa, tipo assim, da casa de detenção. Chegando lá você nem precisaria consultar o cardápio, já que existiriam apenas duas opções: Comer ou não. Para saber o que já foi servido lá durante todo mês, o cliente (cliente?) bastaria olhar para a roupa encardida das atendentes, onde as manchas em seus uniformes detalhariam a comida que foi por elas maltratada, digo: cozinhada.

O pior restaurante do mundo seria o único lugar do planeta onde, além de lavar as mãos, a pessoa também teria que lavar os pratos, talheres e copos, caso quisesse comer utilizando utensílios limpos. Também seria um restaurante considerado 100% “self service” já que antes de se servir no bufê a pessoa teria que buscar sua bandeja e demais acessórios que estariam espalhados e sujos pelas mesas, pela pia da cozinha, e até pelo chão.

Podemos dizer que seria um local que conseguiria aflorar a religiosidade nas pessoas, pois, após provar da comida qualquer indivíduo passaria a acreditar que o inferno existe e que resolveu abrir uma franquia justamente naquele lugar. Neste restaurante os clientes perceberiam que o que não mata engorda (e muitos dos que comeriam lá não engordariam exatamente por esse motivo), poderíamos até comparar suas refeições com os cogumelos, pois como muitos já sabem: todos os cogumelos são comestíveis, alguns só uma vez...

A pessoa que se aventurasse a conhecer este restaurante se obrigaria a comer devagar, bem devagar, saboreando o que tem na boca e evitando assim, mastigar alguma pedra ou inseto que por ventura estivesse camuflado no meio dela.

Como todo restaurante tem normas de conduta, não seria permitido fumar nas mesas, por isso os funcionários do lugar fumariam na cozinha mesmo, enquanto preparariam os alimentos, separando, por exemplo, a parte boa das carnes e legumes das partes estragadas, pois essas seriam utilizadas para preparar os molhos, purês, bolinhos e tudo mais que pudesse disfarçar que aquilo já não prestaria mais para o consumo.

Enfim, para não se pensar que no pior restaurante do mundo só encontraríamos coisas ruins, vale lembrar que lá seria um ótimo lugar para quem quer perder peso, iniciar uma dieta forçada, ou simplesmente tentar o suicídio gastronômico através da ingestão de sua incomestível comida.


Antonio Brás Constante. (abrasc@terra.com.br)

Que fria hein? Já pensou em um lugar assim??? Não reclame do seu restaurante habitual!

Nenhum comentário:

Postar um comentário