terça-feira, 11 de agosto de 2015

Covardia x medo


A lei denominada Maria da Penha completou nove anos, mas, até agora, em que pese a intenção de acabar ou, pelo menos controlar, atos de covardia promovidos por homens que se entendem proprietários das esposas ou companheiras, de fato ainda não surtiu a plenitude do efeito desejado.

Além de uma cultura de ser o homem detentor da determinação final, como se pode ver em vários países, onde tudo é permitido, só e unicamente, ao marido, forjou-se, justamente pelo sentimento de submissão, um medo muito forte em denunciar, considerando possíveis consequências.

Naturalmente, em se tratando de cultura milenar, acreditamos ser impossível pensar em mudanças repentinas. As próprias conquistas sociais da mulher foram forjadas ao longo de muitas décadas, objetivando vencer o preconceito machista, principalmente num estado como o Rio Grande do Sul, onde a tradição determinava categorias distintas, como o homem provedor e a mulher, rainha do lar.

 Hoje, a mulher deixou de ser a mãe com o “avental sujo de ovo”, como diz a música gravada por Agnaldo Timóteo, para alçar grandes voos e libertar-se, em tese, dos grilhões que a seguravam ao fogão e ao ferro de engomar, para enfrentar o competitivo mercado de trabalho, onde supera o homem em muitos setores.

Em que pese essas conquistas, entendemos que o medo, aliado a outros fatores, ainda faz com que um grande índice de violência dentro das quatro paredes do lar mantenha-se abafado, reduzindo, em larga escala, as denúncias e os registros policiais.

 É tempo de mudança, de entender que esse tempo passou e deveria estar arquivado na história, como assim está o triste e deplorável período em que o homem podia comprar, no mercado de escravos, outros seres humanos e deter plenos poderes sobre esses.

Cumprimentos à srªs. promotoras de Justiça,  ao registrarem nas páginas do J.A, a luta que realiza na defesa contra a violência doméstica e o seu receio pelo risco de esvaziamento da Lei Maria da Penha.


Comente este artigo.

Um comentário:

  1. Muitas mulheres acabam sendo "cúmplices" dos próprios agressores, pois não tem a coragem de denunciar, ou até de se separar desses monstros...
    Vejam meu blog, faço resenhas: http://rsenhando.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir